jusbrasil.com.br
3 de Junho de 2020

Os vínculos do PCC com a esquerda armada e a inspiração boliviana

Livro relata como o PCC se transformou no primeiro cartel de drogas do Brasil e como as relações de seu líder Marcola internacionalizaram a organização

Caio Rivas, Advogado
Publicado por Caio Rivas
há 2 anos

Fundado em 1993, o PCC evoluiu de uma espécie de sindicato de criminosos à maior organização criminosa do Brasil. O passos percorridos pelos bandidos, ao longo dos últimos 25 anos, são descritos no livro Laços de Sangue: a história secreta do PCC (Matrix Editora, 248 pág.), do procurador Marcio Sergio Christino e do jornalista Claudio Tognolli.

Christino, que é um dos principais investigadores das ações do PCC, narra os resultados de suas pesquisas e fatos dos quais é testemunha. O principal deles é como o líder do PCC, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, se consolidou como chefão da organização.

Depois de conquistar o comando do PCC, Marcola traiu dois fundadores do PCC que percebia como as únicas ameaças ao seu reinado absoluto. Segundo relata Christino, Marcola passou a trabalhar como informante da polícia paulista. Marcola entregou para polícia a poderosa rede de comunicação chefiada por José Márcio Felício, o Geleião, e César Augusto Roriz Silva, o Cesinha. A traição de Marcola, que sacrificou uma importante parte operacional da organização, foi apenas um dos passos iniciais do golpe que ele empreendeu para refundar o PCC.

O golpe de Marcola coincide com um fato bizarro que contou com a “colaboração” das autoridades paulistas. Em 2002, o guerrilheiro chileno Mauricio Hernandez Norambuena, preso pelo sequestro do publicitário Washington Olivetto, foi enviado para o mesmo presídio de Marcola, na cidade paulista de Presidente Bernardes.

Norambuena, que é um guerrilheiro treinado por Cuba para realização de ações de guerrilha na América Latina, transformou-se no “Mestre Terrorista” de Marcola. Idolatrado por seu passado pelas lições que apresentou ao líder do PCC, o chileno ganhou o status de professor para Marcola. Segundo Christino, o convívio de Marcola com Norambuena mudou de forma definitiva o modelo de ação da organização.

“O Brasil Boliviano”

Segundo o procurador Marcio Sergio Christino, além da influência estratégia e tática aprendidas por meio do convívio com o “professor terrorista” Mauricio Hernandez Norambuena, o PCC está reproduzindo no Brasil os passos já testados pelos movimentos cocaleiros da Bolívia.

Depois dos violentos conflitos registrados em 2006, o PCC compreendeu que as ações espetaculares e a violência desmedida não ajudariam no avanço dos negócios. E passaram a focar no modelo cocaleiro boliviano que, apenas um ano antes, havia conseguido eleger o seu líder Evo Morales como presidente da Bolívia como o principal exemplo a ser seguido.

Fonte: https://veja.abril.com.br/mundo/os-vinculos-do-pcc-comaesquerda-armadaea-inspiracao-boliviana/

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)