jusbrasil.com.br
22 de Outubro de 2019

No duelo entre Temer e Globo, presidente já começa derrotado

Boatos de supostas ofensivas do Planalto contra a emissora dão tom novelesco à crise política

Caio Rivas, Advogado
Publicado por Caio Rivas
há 2 anos

Nos últimos dias, sites registraram uma hipotética artimanha de Michel Temer para atacar sua nova inimiga número 1, a Globo, cujo jornalismo não tem poupado o presidente de críticas e contestações diárias.

Propaga-se que o peemedebista pretenderia pressionar a emissora com a cobrança de impostos atrasados e até a revisão dos termos da concessão – a atual autorização tem validade até 2022.

Aparentemente impassível à possibilidade de revanche, a Globo renova a artilharia contra o presidente a cada telejornal.

O estrago maior é feito pelo Jornal Nacional , que chega a atrair 7 milhões de telespectadores a cada noite somente na Grande São Paulo, principal área de aferição de audiência do Ibope e da GfK.

Esta semana, uma das reportagens mais contundentes do JN condenou a liberação de emendas bilionárias aos parlamentares da base aliada que Temer, que pode salvá-lo da acusação de corrupção passiva lançada pelo Procurador da República, Rodrigo Janot.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, chegou a se reunir com a cúpula da Globo (leia-se família Marinho) na tentativa de entender a postura agressiva do canal e conseguir uma cobertura mais leve dos imbróglios do presidente.

Ele voltou a Brasília com um recado claro a Temer: o Grupo Globo vê a renúncia como melhor solução para o Brasil. Desde então, o chefe do Executivo e a emissora líder do País não disfarçam a rivalidade.

Qualquer ação da Presidência contra a Globo seria imediatamente rechaçada por entidades representativas da mídia e dos jornalistas, no Brasil e no exterior.

Ainda que tenha irregularidades fiscais, a empresa não pode ser punida por sua linha editorial, de acordo com o princípio básico da liberdade de imprensa.

Caso isso acontecesse, o Brasil se aproximaria do caos visto na Venezuela, onde os governos de Hugo Chaves e Nicolás Maduro fizeram intervenções em emissoras de propriedade privada para impor censura ao telejornalismo.

Se a Globo deve à Receita Federal, que seja cobrada exclusividade por essa dívida, e não por recusar apoiar esse ou aquele projeto de poder.

Qualquer atitude interpretada como arbitrária daria contorno de ditador a Michel Temer. Punir a imprensa ‘inimiga’ é o primeiro passo para sujar a biografia política de quem se diz democrata e estilhaçar o Estado de Direito.

A Globo não é um ícone de imparcialidade jornalística, mas precisa ter a independência garantida por quem ainda nutre esperança de um futuro digno a este melodramático País.


Fonte: https://www.terra.com.br/diversao/tv/blog-sala-de-tv/no-duelo-entre-temereglobo-presidente-ja-come...

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

A liberdade de imprensa é absolutamente essencial para toda e qualquer sociedade civilizada.

Dito isto, a Rede Globo tem feito um papelão execrável e panfletário (não é a primeira vez, claro, e não será a última). Há dois meses tentam a todo custo implodir o governo, numa militância que já ultrapassou todos os limites da razoabilidade.

Como cidadão, quero saber o motivo. Há algum interesse dos Marinho que está em risco, e que, para estes, está acima da estabilidade política e econômica da nação. Qual? continuar lendo

A globo participou em grandes proporções para a eleição do Collor e depois para seu impeachment.

A globo participou para o impeachment do Governo Dilma.

Óbvio que todos temos interesses ideológicos ou políticos, as emissoras também.

Qual seria a "estabilidade política e econômica da nação" agora? Por acaso nos outros casos não tinha? continuar lendo

Não, nos outros casos - literalmente - não tinha. A eleição de Collor seguiu-se a uma crise econômica profunda, e seu impeachment a outra. O mesmo sucede ao impeachment de Dilma. A questão era simplesmente escolher o lado, e puxar a corrente. Quando o bolso dói, todos adquirimos consciência política. E não poderia ser diferente.

Agora, quando precisamos enfrentar uma ressaca de uma década e meia de irresponsabilidade fiscal, má-gestão crônica e analfabetismo econômico - e, contra todas as probabilidades, começamos sem afundar de vez - este grupo começa uma campanha para quebrar o delicado equilíbrio que está sendo alcançado.

Como o bolso dos Marinho, diferentemente do resto dos cidadãos, será poupado, é algo que aguardo por entender. continuar lendo

Não estou aqui para defender a Globo, pois sei que a emissora não tem nada de santa. Relevante, porém, notar que os governantes de plantão, invariavelmente, voltam-se contra a imprensa quando esta noticia suas falcatruas. Só querem elogios. Deveriam se preocupar mais em governar com ética, ao invés de pretender que a mídia, em geral, deixe de informar a população sobre como tratam a coisa pública, afinal todos nós financiamos o erário e, por mais que os políticos não gostem, não vamos deixar barato a roubalheira que tomou conta do país. Temer precisa sair logo. Nisso, sem dúvida, a Globo está prenhe de razão. continuar lendo